As origens do crochê por Nana Soma

Linha, novelos, agulha, ponto alto relevo ou escama, carreira circular… Você sabe do que estou falando? Do crochê, um trabalho manual que utiliza uma agulha com um gancho em uma das extremidades na execução de um tecido (renda).

O nome desta técnica artesanal vem de um termo do dialeto nórdico, que significa gancho (a forma do bico encurvado da agulha utilizada para puxar os pontos), do qual originou croc, e que em francês tem o mesmo significado. Em relação à sua origem histórica, não existem muitas informações precisas.

Os primeiros trabalhos têm origem ainda na Pré-história, segundo historiadores e há algumas teorias de que estes eram feitos com os dedos, em vez de usando agulhas. As três teorias principais dizem que a técnica teria se originado na Arábia e se espalhado para o Tibete e mais tarde para a Espanha e Europa; na América do Sul, onde uma tribo primitiva teria usado adornos de crochê em rituais de passagem; ou na China, onde foram encontradas bonecas feitas de crochê.

A arte do crochê, como se conhece atualmente, foi desenvolvida no século 16 e as primeiras evidências do uso extensivo da técnica surgiram na Europa, durante o século 19. A partir dessa época o crochê foi usado como uma forma mais barata de fabricação de renda e, o estigma de imitação de um símbolo de status em vez de uma técnica artesanal com valor próprio prejudicou a técnica. Quem podia comprar renda feita com as técnicas mais antigas e caras desdenhava o crochê como sendo uma cópia barata.
Somente após a II Guerra Mundial o interesse pelo crochê retornou, como parte do movimento baby boom, que estimulava os valores domésticos e as técnicas artesanais feitas em casa. Mesmo assim, a técnica era vista como “coisa de dona de casa”. Com o movimento hippie da década de 60, a nova geração popularizou os crochês coloridos e os granny squares, as mantas feitas com quadrados de crochê.



Crochê nos anos 70

A popularidade declinou um pouco nas décadas recentes, mas felizmente, nos últimos anos, o crochê e outras artes manuais estão começando a receber o devido valor como técnica artesanal e de arte.


 Cate Blanchett no Screen Worlds na ACMI em Melbourne, Austrália,
cerimônia que antecedeu a entrega do Oscar em 2009



Vestido de crochê: campanha Primavera / Verão 2010
Dolce & Gabbana


 Vestido em crochê estilo "Destroy"
Mark Fast para Topshop
Os trabalhos atuais são mais criativos e modernos, com destaque para o freestyle crochet, que é uma “técnica” de crochê livre, unindo diversas linhas, cores e pontos básicos em uma mesma peça sem receita ou modelo. Esta forma de crochê pode ser usada para criar acessórios como bolsas, colares, brincos, anéis e até como obras de arte.


Colares em crochê com fios metalizados





Objetos de decoração e móveis. Cadeira da marca Moschino


Instalação com piano todo coberto em crochê...



...ou até um touro em crochê com cores neon... Viva o crochê!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe o seu comentário!

Google+ Followers